terça-feira, 15 de janeiro de 2019

A Alma Por Trás de... Magda Soares


A alma por trás de…  Magda Soares




Magda, mal podia esperar o final do dia. Finalmente, a semana com o seu menino iria começar… Vivia a sua vida, de semana a semana, ansiosa pelos preciosos momentos com o seu mais que tudo. Por vezes, lembrava-se de como anteriormente tomava como garantido a sua presença e como, na maioria das vezes, não aproveitava tanto o dia porque haveria sempre o amanhã… O amanhã tornou-se uma semana e a angústia que pensava que se iria aplacar com o tempo, apenas aumentou.
Nenhuma mãe está preparada para afastar-se do seu filho, mas todas as mães estão preparadas para fazer o melhor por eles. E assim, Magda, fez o melhor pelo seu filho e aprendeu a valorizar, ainda mais, cada minuto.
As semanas off eram passadas a correr. Assoberbada em trabalho e em projetos, aprendeu a abençoar os momentos sozinha. As semanas off são semanas de visitas externas, acompanhamento de clientes… As semanas in, são semanas de estudo, preparação de matérias, alinhamento do blog… Sente-se abençoada por poder organizar o seu tempo em torno da sua razão de viver.
Olhando para trás, pergunta-se se voltaria a fazer o mesmo? Sabe que sim! O facto de ser mãe
não implica que tenha de deixar de ter sonhos. O facto de ser mãe não implica que tenha de
deixar de viver como mulher. O facto de ser mãe não implica a anulação da sua alma e do seu
espírito. Muito pelo contrário! O facto de ser mãe despertou-lhe a vontade de fazer algo por si
própria, a vontade de se sentir realizada. Haverá melhor legado para deixar ao seu filho do que
a realização pessoal e a certeza que a felicidade é o caminho?
Terminou a press release, e enviou para aprovação do cliente. Pegou na mala, deu uma última olhada no espelho e aprovou o que viu. Impressionante como a alteração dos seus hábitos alimentares a tinham feito rejuvenescer dez anos. Estar bem consigo mesma é, na verdade, o segredo para o sorriso que carrega consigo. Chegou ao colégio e viu o seu menino a sair da sala. Feliz, correu a abraçá-lo e deixou-se envolver naquele momento único. Uma das melhores semanas da sua vida estava prestes a começar!


Texto: Adelaide Miranda, Janeiro 2019

A assessora de comunicação/blogger, Magda Soares, está disponível para contacto:

instagram: @macaronsepurpurinas

facebook: https://www.facebook.com/magda-soares

e-mail: magda.promocao@gmail.com

Blog: www.macaronsepurpurinas.com

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

A Alma Por Trás de... Sílvio Nascimento


A Alma Por Trás de... Sílvio Nascimento


Sílvio, correu para os braços da avó aos soluços. Envergonhado, tentou esconder as lágrimas da sua querida avó.
- O que tens meu neto? O que se passa? Quem te fez mal?
- Avó… Disseram que… Disseram que teatro… teatro não…
- O teatro o quê? Diz-me meu amor…
- Disseram-me para esquecer o teatro, avó. Disseram-me que isso nem sequer pode ser profissão…
- Quem disse isso, meu amor?
- Os meninos do colégio…
- E o que tu pensas disso, meu amor?
- Avó, teatro é vida. É a minha vida.
- E aos sete anos de idade, meu neto, tens a certeza que essa é a vida que tu queres?
- Sim, avó. Eu sei. É o que eu quero… É o que eu sonho… É o que eu vejo para mim!
Teresa, limpou as lágrimas do neto e pediu-lhe que a olhasse nos olhos, bem dentro da alma.
- Meu amor, o importante é que acredites em ti, sempre. Não permitas nunca que alguém te faça duvidar daquilo que queres ser. Não permitas que os obstáculos te façam duvidar… Se o teatro é a tua vida, e assim o escolheste para ti, assim será, meu amor. Sê sempre fiel a ti mesmo. Lembra-te sempre que a realidade mostra onde estás e a tua mentalidade leva-te onde quiseres chegares. Se a tua vida é teatro, meu anjo. Assim será…
Sílvio, olhou para o espelho do camarim e voltou à realidade. Por vezes, voltava ao passado e visitava o menino que o ajudou a tornar-se homem. O menino que chorou nos braços da avó, quando alguém disse que o seu sonho era impossível… O menino que nunca esqueceu as palavras da avó e acreditou sempre em si mesmo, mesmo quando o resto do mundo teimava em dizer o contrário.
O seu percurso não foi fácil. Saiu da terra onde cresceu com a avó, para Luanda, a chamada cidade grande. Seguiu o conselho dos que o amavam e do grande Teta Lando. O mestre Teta Lando, reconheceu em si a vontade, a dedicação e o talento e aconselhou-o a avançar para o palco do mundo. O mundo inteiro tinha o direito de ver a sua arte.
A vontade de aprender, a vontade de crescer, a vontade de fazer melhor, foi muitas vezes vista como a vontade de aparecer… O desejo de grandeza… A humildade e capacidade de trabalho foram várias vezes confundidas com ganância e egocentrismo. Sílvio, superou as críticas e nunca deixou de ouvir a voz da sua avó: “Se a tua vida é o teatro, assim será!”
Do pequeno palco de teatro no Lubango, o pequeno Sílvio saltou para os ecrãs do mundo. Teatro, novelas, programas de televisão, cinemas… Sílvio, fez de tudo com um sorriso nos lábios e com a força de um gigante. Nada o abalou… Os maus momentos foram transformados em bons momentos, porque foram de aprendizagem. Os bons momentos, foram sempre dedicados ao pilar que o fez mover.
Bateram de leve na porta do camarim. Sílvio, acenou sorridente e respondeu que iria já de seguida. Levantou-se e olhou uma vez mais para o espelho. Estava na hora de mudar o mundo. O pequeno menino de Lubango, estava pronto para mandar a sua grande mensagem ao mundo: “Sê fiel a ti mesmo e não desistas dos teus sonhos independentemente do que os outros dizem. Quando sabes o que queres, acredita em ti mesmo e age em função do que te faz mover, não existem limites.”
O pequeno menino de Lubango, olhou para o teto e pediu, uma vez mais, a bênção à avó que o continuava a proteger, mesmo já não estando no mundo dos vivos. Gravou as suas cenas do filme e voltou para o camarim triunfante. Viu refletida a sua imagem no espelho e sorriu de volta ao menino de 7 anos, agarrado às saias da sua avó.
- Não tenhas medo, Sílvio. Nada é impossível. Acredita em ti e visualiza o teu futuro: “Sílvio Nascimento dos palcos do pequeno colégio das madres, da pequena cidade do Lubango, para os enormes ecrãs gigantes espalhados pelo mundo.”



Texto: Adelaide Miranda, Fevereiro 2018

O ator /apresentador de televisão, está disponível para contacto:
Agente: Clé Entertainment
              +351 932 781 124
              +351 963 725 944 
              +244 921 141 900
               +447 565 679 603
instagram: @silvionascimento0
facebook: https://www.facebook.com/silvionascimento
web: www.silvionascimento.com

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

A Alma Por Trás De... Joana Caçador


A alma por trás de… Joana Caçador 




Joana, sentou-se à beira-mar para ver nascer o sol. Inspirou e absorveu a força do mar. A beleza da natureza atraí-a. Sentia-se bem assim, entregue ao mundo... O mundo tinha tanto para ser explorado, tanto para ensinar... Joana, tinha sede de aprender. Aprender a entender o mundo, as leis que o faziam mover... 
Nasceu curiosa. Joana, era daquelas crianças que nascem com os olhos abertos à procura da mãe e do pai. À procura de quem a trouxe ao mundo. À procura de respostas... Quando aprendeu a falar ganhou uma língua de perguntador. Tudo à sua volta tinha de fazer sentido, tudo tinha de ter razão de ser. Pedir-lhe para não mexer não era suficiente. Era necessário explicar porquê.  
A curiosidade levou-a a ser uma amante de artes, uma amante da vida, uma amante das emoções humanas, do entretenimento... Cresceu deslumbrada pela capacidade que o ser humano tem de absorver conhecimento, cultura, artes... Cresceu deslumbrada com a versatilidade do ser humano. Tornou-se saltimbanco da vida. Tornou-se na mulher dos mil ofícios. Manequim, atriz, jornalista, designer visual, técnica especialista em exercício físico...  
Embora se desdobre em várias profissões, Joana, nunca fez nada pela metade. Na realidade, a sua verdadeira profissão é ser estudante. Todos os projetos a que se dedica envolvem conhecimento, formação, dedicação... Ter noções básicas não a satisfazem, Joana tem de aprender, tem de entender o mecanismo por trás de tudo que a deslumbra. 
Joana, inspirou uma vez mais e levantou-se. Amanhã, o sol iria nascer novamente, mas hoje o tempo não para. Tinha de se preparar para mais um dia. Mais uma entrega completa ao que a fazia vibrar: a vida. De todos os chapéus que vestia, hoje era o dia de Jornalista. Era um privilégio poder escolher o que fazer, quem ser... Uma arte que nasceu com ela.  
Joana, abriu os braços e correu pelo areal. Deixou a alegria que a caracterizava fluir. Parou ofegante, já perto do carro. Ajeitou o cabelo e compôs-se. Sorriu, e entrou no carro pronta para mais um dia. Mais um dia em que iria aprender algo mais. Mais um dia em que o jornalismo iria desvendar mais um segredo. Mais um dia em que Joana estava pronta para ser o que nasceu para ser: a eterna estudante! 




Texto: Adelaide Miranda, janeiro 2018


A jornalista/atriz/manequim, Joana Caçador, está disponível para contacto:

instagram: @joana_cacador
facebook: https://www.facebook.com/joanamcacador


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

A Alma Por Trás de... Larissa Andjara




A multidão aplaudiu e, Larissa, soube que o seu futuro era no palco. O calor da multidão, os aplausos, as luzes, a emoção… Era esta força que a fazia vibrar e querer mais, muito mais. Não basta fazer a “cover” de uma cantora com que o público a achava parecida. O palco era o seu  mundo, mas não a imitar uma cantora. Teria de ser “a cantora”. Só assim faria sentido, algo menos não iria de acordo com os seus princípios. Ou era cantora, ou não era. Para ela, a mulher furacão, nunca existiu meio termo.
Nasceu genuína. Nasceu transparente. Nasceu decidida… Digamos, para muitos, casmurra. Não foi fácil ser criança com a noção do que se quer. Não foi fácil acatar ordens. Não foi fácil aceitar as decisões dos outros. Não foi fácil fincar o pé quando não se tem o poder de decisão… Larisa, sempre travou uma batalha entre a sua personalidade e as regras da sociedade. Nunca aceitou ir contra os seus ideais, para ser aceite. Nunca aceitou usar máscaras e cair no erro de quem as usa e esquece de quem realmente é.
Nem por amor, Larissa, prescindiu de ser quem era. Amou loucamente, entregou-se completamente. Nunca soube fazer nada pela metade. Por amor, tentou tudo. Por amor, cedeu muito. Porém, sacrificou esse amor pela sua personalidade. Era impossível mudar para agradar. O sacrifício que esse amor pediu era grande demais: deixar de ser quem era. Com o coração em cacos, Larissa, virou as costas e seguiu em frente.
E caminhou… Caminhou em direção ao seu sonho. Caminhou em direção à sua genuinidade, com a dança no pé e a música no coração. Quando teve que parar, parou. Quando teve que voltar atrás, voltou. Quando teve que alterar o caminho, alterou. Quanto teve que descansar, descansou. E passo a passo, segue o seu caminho.

Para trás, ficou a família. As saudades sufocam e machucam. O coração apertado torna o caminho mais difícil. Mas nada que é conseguido sem sacrifício, vale a pena. A saudade que a sufoca é o motor que a faz mover. Seguir em frente, com o coração nas mãos e com medo do que se pode perder não é seguir em frente, é ficar no limbo, é balançar no meio termo. Larissa, não nasceu para ser uma pessoa de meio termo.  O palco é o seu futuro. Com a força de um furacão, avança. O seu lema sempre foi ou oito ou oitenta, e para a mulher furacão, o oito não contenta. 

Texto: Adelaide Miranda, Outubro 2017

A artista, Larissa Andjara, está disponível para contacto:

instagram: @larissaandjara
facebook: https://www.facebook.com/Larissaandjaraoficial

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

A Alma Por Trás de... Kelly Silva

A Alma Por Trás de... Kelly Silva



Kelly, com as mangas arregaçadas e as famosas meias brancas, dançava em frente ao espelho ao som de Michael Jackson, “Whose Bad?”. A música e o ritmo vibravam por todo o seu corpo e ele não conhecia sensação no mundo melhor que essa. Tinha, apenas três anos, mas já sabia o que queria para a sua vida. Música. Dança. Entretenimento.
 Cresceu em Angola. Aperfeiçoou a dança em casa, nas festas, no quintal... Debaixo do sol quente, com os calções coçados e suados, Kelly, trepava para cima de telhados e fazia deles o seu palco. Nasceu artista. Deus deu-lhe essa dádiva. Teve o privilégio de não ter de aprender a sua profissão. Nasceu com ela bem fincada nas veias. Nasceu com os sonhos bem delineados. Nasceu com a música e a dança no corpo e Deus no coração.
Kelly, não caminhou aos trambolhões e com incertezas. A única certeza na vida é que iria viver do seu talento para entreter e alegrar as pessoas. Cada passo que deu, cada rota que definiu foi sempre com essa meta no horizonte. Juntou-se a um grupo de dança sabendo que seria uma catapulta para a carreira de cantor. As horas em frente ao espelho e o seu talento nato cedo deram frutos. Kelly, ainda mesmo antes de ser conhecido ao público, já era conhecido aos vizinhos e no mundo dos músicos.
Cresceu, rodeou-se de pessoas que entendiam o seu propósito. Namorou... Noivou. O pai, preocupado, perguntou à noiva se ela estava preparada para entrar no mundo de Kelly. Porque, Kelly, sempre seria artista, sempre iria trabalhar largas horas, sempre iria passar noites fora de casa. Nasceu assim... A noiva, hoje esposa, confirmou que sabia que o caminho dela era esse, ao lado de um homem que sempre soube o que quer. Os filhos, entendem o pai...
Na vida, a única certeza que podemos ter é de quem somos. Defender a nossa posição, defender os nossos sonhos. Batalhar! Nunca permitir que alguém ridicularize os teus projetos e que minimize o teu coração. O que Deus dá, é abençoado. E nunca nos devemos envergonhar da nossa benção. Essa, é a única lei que Kelly segue na vida.

O sonho de artista, já há muito deixara de ser sonho e tornara-se realidade. Um sonho que lhe permitiu ser um bom marido, um bom pai. Um sonho que sempre lhe permitiu sentir-se completo. Hoje, o sonho é terminar advocacia. Kelly, aspira a defender a arte. Porque sem arte, digamos, Kelly nunca existiria.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

A Alma Por Trás de... JLO, "O Exonerador Implacável"!

A Alma Por Trás de... JLo, "O Exonerador Implacável"!

Fonte da Imagem: Twitter de Nuno Carvalho


JLo, deambulava pelo escritório como se tivesse bicho carpinteiro.
Tinha saudades dos tempos de guerrilha, em que os oponentes eram derrotados com um leve primir do gatilho.
Sempre aspirou, mas nunca pensou, chegar a presidente. A sua nomeação foi vista como a forma mais fácil de calar um problema. Acalmar a multidão por um breve período, apenas. O futuro não seria através dele, ele serviu apenas como um mecanismo.
Enganaram-se... Enganaram-se as massas.
No dia de tomada do Poder, JLo expressou a sua vontade. Muitos temeram que se tratassem de promessas vãs. 
JLo nunca teria coragem de enfrentar os tubarões grandes, pensavam as massas.
Dia 15 de Novembro, JLo acordou com um fogo nos olhos. Recordou-se dos tempos de guerrilha em que o medo era o pior inimigo.
Recordou-se do tempo em que as decisões tinham que ser tomadas sobre pressão e qualquer indecisão poderia levar à morte.
E nesse mesmo dia, com a sua armadura invisível, JLo voltou ao ataque.
Decidiu exterminar os presumíveis indestrutíveis com a força de uma caneta.
As guerras já não se lutam com armas. As guerras lutam-se com determinação, e poder. O medo combate-se com um carimbo e um discurso.
JLo, exonerou os "inexoneráveis". Exterminou os "inextermináveis"... 
JLo, "O Guerreiro"! 
JLo, "O Soberano"!
JLo, "O Exonerador Implacável"!



Texto de: Adelaide Miranda, 17/11/2017

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

A Alma Por Trás De... Diego Faria

A Alma Por Trás de... Diego Faria




Diego encostou-se à árvore e limpou o suor da testa. O dia já ia a meio e o cansaço já se fazia sentir. O pai, ao longe, continuava a trabalhar na roça. Era impressionante como nunca mostrava sinal de cansaço. Dizia que só se parava quando o trabalho terminasse ou o sol se pusesse, e como o trabalho nunca acabava, o pai trabalhava de sol a sol.
Abriu o farnel, cuidadosamente preparado pela mãe, e deleitou-se com as iguarias. Satisfeito, fechou os olhos e adormeceu...

O barulho da multidão e as luzes do palco fizeram-lhe sentir um nó no estômago. Respirou fundo, contou até dez, e subiu ao palco. O público chamava o seu nome e banda tocava uma melodia impossível de não acompanhar. Sorriu, pegou no microfone e começou a cantar.  A meio da música, pegou no violão e acompanhou a banda. A multidão batia palmas e acompanhava o compasso... Música a música, Diego, animou a multidão e deu um enorme espetáculo. O nervoso miudinho que sentiu no início tinha-se dissipado com  o calor da multidão.

Acordou, com os safanões do pai, e demorou uns segundos a perceber onde estava. Enquanto deixavam a roça e dirigiam-se para casa contou o sonho ao pai. Disse-lhe que tinha a certeza que um dia iria ser cantor. O pai, com um ar preocupado, perguntou como ficaria a roça. Se ele se fosse embora quem o iria ajudar? A pergunta ficou no ar, sem resposta...
Nessa noite, na hora da oração o pedido do Diego foi ligeiramente diferente dos pedidos anteriores. Nessa noite, para além de pedir por saúde, paz e bem estar para a família, Diego pediu forças para seguir o seu sonho custe o que custasse. E assim foi dali em diante... O pedido sempre o mesmo e a vontade de concretizar o seu sonho cada vez maior.

Diego esperou que os pais fossem dormir e saiu na calada da noite. Para trás, ficou uma vida familiar da qual sempre se orgulhou... Para trás, ficou conforto e um lar... Mas tinha noção que o seu futuro não era ali. O palco que pisou, pela primeira vez em sonhos, não se encontrava ali... Com muito medo e dor no coração, seguiu para São Paulo. Algures na cidade grande, a terceira maior do mundo, o seu sonho iria nascer. Tinha a certeza disso. O que mais lhe custou foi deixar a mãe. A mãe guerreira que sempre lutou para lhe dar educação, que sempre lutou para que nunca lhe faltasse nada, que sempre o encheu de amor... Mas a vida segue em frente... E assim foi...

No principio, a cidade grande, era estranha. Por vezes, faltou-lhe o que comer. Por vezes, entrou em desespero mas, mesmo assim, tinha vergonha de pedir dinheiro aos pais. Era difícil, para alguém que nunca passou por dificuldades na vida, de repente, passar fome porque decidiu seguir o seu sonho... Bastava pegar na mala e voltar para casa. A mãe e o pai o esperavam de braços abertos... 
Não! Não podia abandonar o seu sonho. Aprendeu com os seus próprios pais que na vida nada se consegue sem esforço. Eles ,também, há muitos anos, tinham largado tudo para ir para cidade arranjar condições para voltarem para a roça. Eles, também, lutaram pelos seus sonhos e nunca desistiram. Com eles, aprendeu a lutar. Para além do mais, não estava sozinho. Deus o acompanhava passo a passo. No coração trazia a sua família... E esse amor e essa mesma força que o puxava de voltava para o seio familiar era exatamente a mesma força que o fazia continuar. Por eles, ele tinha que chegar lá.

Desorientado, demorou um pouco a perceber em que cidade estava. Foi até a janela e reconheceu Boston. Tinha de se preparar para o concerto que iria dar no final da tarde. Ensaiou com a banda e retirou-se antes do espetáculo começar. Ligou para a mãe e disse que a amava muito e que estava a morrer de saudades... A mãe perguntou quando voltava para casa... A pergunta, não ficou sem resposta: Já corri meio mundo, minha mãe. Hoje, posso dizer que sou o cantor que sempre sonhei. Em breve, minha mãe. Em breve, quando tudo se estabilizar, estarei pronto para voltar para os teus braços. O meu sonho já não é mais um sonho, minha mãe. É esta a minha realidade!




Texto|: Adelaide Miranda, Novembro 2017


O cantor pode ser contactado para entrevistas e actuações:
E-mail: geral.wmm@gmail.com 

Instagram: https://www.instagram.com/diegofariaoficial/