terça-feira, 24 de outubro de 2017

A alma por trás de... Patrícia Rocha

A alma por trás de... Patrícia Rocha





Colocou a mão na barriga e riu às gargalhadas. Pelo meio, enquanto buscava ar, soltava um ronco ou outro, tamanha era a loucura. Em vez de a fazer parar, o amor da sua vida juntou-se à risada desenfreada. Eram assim, cúmplices até na palhaçada. Com aquele ar de menino perdido, mas com a sabedoria de um homem de avançada idade, conquistou-a. O amor, a paciência, a tolerância, e a partilha entre eles fazia-lhe acreditar que seria para sempre.
Patrícia, pertencia à velha guarda e acreditava num amor para toda a vida. A vida sabe melhor a dois. A vida sabe melhor quando as batalhas são partilhadas, os planos são traçados e as decisões tomadas no plural. Em tempos, tinha perdido a convicção. A doença chamada egocentrismo tinha-se espalhado pelo mundo e ela julgava que já não era possível um amor em torno de nós, não quando o Eu tinha uma força poderosa. Até ele… Com ele o sonho de ter uma família era cada vez mais real.
O que mais a fascinava era o facto de não ter necessidade de se esquecer de si mesma. Por vezes, quando se ama, passamos para segundo lugar, mas com ela isso não tinha acontecido. Nunca abdicou da própria felicidade e só sendo feliz pode fazer os outros felizes. Todos os dias arregaça as mangas e atira-se ao mundo, sempre vestida de um sorriso e também a rigor. Guerreira, seguindo as pegadas da mãe, não deixa nada por fazer e não permite que a tristeza a consuma.
Para se libertar, escreve. Escreve o que lhe vai na alma. Escreve sobre sentimentos, emoções, experiências. Uma terapia que a faz sentir bem, assim como dançar. Sentir-se bem é uma prioridade. Gosta de se sentir bonita para si própria, sente-se mais confiante, mais capaz. Aquela história de rebanho nunca lhe fez muito sentido e segue o seu próprio caminho. A vida é curta e quer viver tudo, hoje. O amanhã… O amanhã pode não chegar.

Saiu do transe e da risada, incrível como tão facilmente perdia-se nos pensamentos. Já não se lembrava o motivo de tanta galhofa, mas também não tinha importância. O importante era estarem ali, assim, juntos. Era uma apaixonada pela vida e vivia cada momento intensamente, in… completamente.




Texto: Adelaide Miranda, Outubro 2017

A promotora de marketing digital / escritora está disponível para contacto:
email: pr.incompleta.mente@gmail.com
Facebook: www.facebook.com/incompleta.mente

Sem comentários:

Publicar um comentário