quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A alma Por Trás de... Vítor Costeira

A Alma por Trás de... Vítor Costeira



Ai o amor... O amor... O amor... 
Deambulando a caneta pelos dedos, Vítor, procurava a palavra que mais se adequava ao sentimento que lhe assolava a alma: amor... A palavra mais simples, e inquestionavelmente mais utilizada, era insuficiente para o sentimento que transbordava a sua alma. Precisava de algo mais... Algo mais sofisticado que conseguisse transmitir, numa palavra apenas, a imensidão de um sentimento infinito, intemporal, gigante...
Alguém lhe tinha sugerido que o nome de uma mulher poderia refletir o sentimento... Outros sugeriram que o nome de um filho poderia refletir o sentimento... Outros ainda, mais narcisistas, sugeriram que o seu próprio nome refletia o sentimento, mas... Vítor amava mais que uma mulher, mais que um filho, mais que a si próprio. Vítor amava a vida. Amava o simples respirar, amava o simples facto que o Sol nascia e punha-se todos os dias... Amava o mar, as estrelas, as flores, até as pedras que por vezes se colocavam no seu caminho...
Da sua janela, observava o parque... A caneta deixou de deambular e ganhou vida. O momento de vida que observava merecia ser eternizado. Imaginou o que pensava o idoso sentado no parque, sorriu com as travessuras da criança que corria à volta do idoso, que devia sem dúvida ser o avô, questionou-se sobre o motivo da melancolia da senhora de meia idade, encostada à árvore, e aparentemente perdida no tempo. Descreveu o que via com o sentimento que lhe tocava na alma e, como por magia, o idoso deixou de ser um estranho e passou a um velho amigo. Releu o texto, construído como um conto, aprimorou e limou as arestas até sentir-se satisfeito.
Olhou para o relógio e assustou-se com o passar do tempo. Por hábito, perdia-se na sua alma e as horas passavam como se de segundos se tratassem. Preparou-se para ir dar aulas. Afinal, ser professor era a constante na sua vida. Ensinar trazia-lhe de volta ao mundo dos vivos e dava-lhe o balanço essencial para sentir-se como parte integrante de uma sociedade que por vezes questionava. Amava o que fazia. Amava partilhar parte da sua sabedoria, amava aprender com os seus alunos... Para ele, ser professor significava ser também estudante. Todos os dias ensinava algo e aprendia algo. Por ironia, sentia que aprendia mais do que ensinava. A interação com outros seres humanos fascinava-o e carregava-o de energia. E assim, amando o que fazia, passava o dia.
Já deitado na cama, algo o inquietava. Levantou-se e sentou-se na escrivaninha. A caneta dançava pelos dedos à medida que o poema se fazia. Escreveu sobre o mar, escreveu sobre as estrelas, escreveu sobre a lua... Escreveu o que lhe escorria da alma até esta deixar de gritar. Olhou para as suas palavras e pensou... Amor... Ai o amor... O amor... Provavelmente, nunca iria encontrar a palavra para definir o sentimento que mais lhe assolava a alma. Aquele sentimento infinito, intemporal e gigante.

Por agora, contentava-se com os pequenos pedaços de amor que registava no seu caderno, no seu dia-a-dia.  A definição de amor, por enquanto... VIDA!




Texto: Adelaide Miranda, Novembro 2017


O professor / poeta / escritor está disponível para contacto em:
Facebook: https://www.facebook.com/VitorMNCosteira

2 comentários:

  1. Muitos parabéns Adelaide, adorei ler o texto e quem sabe se não seria o início para um novo livro? Fico à espera...uma vez que adoro ler o que escreve! Noite feliz! Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Ana, uma excelente ideia. Vou pensar nisso com carinho! Beijinhos.

      Eliminar